Seja bem-vindo.

Releases
(16/05) “Com rigor técnico e respeito ao cliente, o empreendedor não erra”, afirma Sérgio Izidoro
Para desagradar o empresário Sérgio Izidoro basta dizer que a fábrica dele é apenas mais uma indústria de calçado em meio a tantas de Birigui (SP). Ele vai torcer o nariz e imediatamente explicar: “não somos uma marca de calçados, pois desenvolvemos projetos voltados ao reequilíbrio e à saúde do organismo”. Para o empreendedor que fundou há seis anos uma companhia que hoje faz calçados anatômicos originais e exclusivos, o fato de os produtos atuais serem chinelos, mules, sandálias, papetes, sapatilhas e sapatos é apenas uma consequência de uma oportunidade proporcionada pelo mercado.

“O nosso primeiro produto não foi um calçado e um dos próximos também não será. Mas terá, como todos os outros, benefício direcionado à qualidade de vida do cliente”, revela Izidoro. Homem convicto, de posições firmes, ele conta nesta entrevista exclusiva que uma série de fatores convergiu para a criação da empresa, todos sempre permeados pelo rigor técnico, e que nunca abriu mão de valores, como ética, inovação, respeito, responsabilidade e transparência.

Por que o incomoda dizer que a sua marca faz calçados?
Porque essa informação é incompleta e, dita assim de forma extremamente resumida, é incorreta. Dá a impressão de que a gente faz o que as outras fábricas da cidade fazem, sem demérito algum a elas. O que fazemos de fato são produtos destinados à saúde das pessoas, e que têm o formato de calçado, mas que não são desenvolvidos apenas para calçar os pés, e sim para amenizar dores causadas por vários problemas nos pés, pernas e coluna. Tanto é diferente que eles não são vendidos em lojas de calçados, por exemplo, mas sim em especializadas em produtos de saúde.

E essa diferenciação é tão importante assim para o senhor?
Com certeza, e muito, pois trata-se de um diferencial dos nossos produtos, que são originais, exclusivos e patenteados. Todos são desenvolvidos internamente a partir de estudos e pesquisas que levam em conta aspectos técnicos rigorosos, como densidade e resistência das matérias-primas, espessura e inclinação dos componentes, entre outros critérios. Investimos em projetos que sejam eficazes, destinados à saúde das pessoas, e não posso deixar que tudo isso caia em uma vala comum, ou que haja confusão de conceitos, como anatômico e ortopédico.

Há essa confusão no caso dos calçados que a sua empresa faz?
Tem sim. É preciso dizer que calçados ortopédicos são corretivos, indicados para quem tem deformações graves nos pés, e, em função disso, são personalizados. Já o anatômico é o calçado feito para proporcionar proteção para os pés, adaptando-se à anatomia dos pés do usuário. Na prática, depois de um tempo de uso, conforme se pisa, ele fica com o formato da base dos pés, retornando em seguida ao formato original. Esta é uma característica favorável dos calçados anatômicos, que amortece, impulsiona e estabiliza o andar. Por isso, temos muito cuidado para posicionar a marca. Os nossos produtos não são comuns nem ortopédicos. Eles são pensados para reduzir dores nos pés, pernas e costas, e fazer com que o cliente retorne às atividades rotineiras. Sempre vou bater nessa tecla.

Como o senhor teve a ideia de fazer este tipo de produto?
A empresa surgiu a partir da convergência de fatores. Desde 1987 eu trabalho na produção de palmilhas de EVA (Espuma Vinílica Acetinada), primeiramente fornecendo o componente para indústrias de calcados. Em meados da década de 2010, eu buscava solução para uma fase de instabilidade econômica. Ao mesmo tempo, enfrentava dores musculares pelo corpo, que começavam pelas plantas dos pés. Depois de tratamento com massagens, informações médicas e leituras, resolvi a questão por conta própria ao desenvolver um tapete massageador, feito de EVA, com ondulações. Ele era prático e eficiente, podendo ser colocado no banheiro, por exemplo, sem a necessidade de o usuário consumir tempo exclusivamente para a sua utilização. Foi o primeiro produto da empresa, em 2015.

E qual a relação do tapete com os calçados anatômicos que a marca produz hoje?
O tapete nos levou aos calçados. Utilizamos o mesmo princípio do tapete na estrutura técnica dos nossos calçados, sendo sola, entressola e palmilha feitas de EVA. Esse conjunto é o mesmo em todos os nossos produtos, que acabam tendo as mesmas características em relação às funcionalidades e benefícios: antiperrapentes, flexíveis e extremamente leves, entre outras coisas. É isso que garante a eficácia deles. 

O foco da sua empresa é o cliente?
Sempre foi e sempre será. Está no nosso DNA. Entendo que o de toda empresa deve ser, pois ele, o cliente, é a razão de existir de qualquer companhia. Eu e a minha esposa passamos quatro anos visitando clientes, tanto para verificar as necessidades deles quanto para medir o grau de eficácia e de satisfação com os nossos produtos.

E como é a relação com os funcionários, eles compreendem essa identidade da organização?
Creio que sim, pois fazemos questão de deixar isso claro para todos os nossos colaboradores, além de humanizar os processos e procedimentos. A nossa administração é horizontal, facilitando contato direto entre a diretoria e o colaborador. São constantes e permanentes os investimentos em proteção e segurança do colaborador. Além disso, a meritocracia aqui é regra para a valorização profissional, com oportunidades proporcionadas sem qualquer diferenciação de crença, cor, raça, orientação sexual ou gênero. Um exemplo básico é que não há diferença salarial entre homens e mulheres que executam a mesma função. Então existe uma relação de reciprocidade entre colaboradores e empresa.

O senhor se considera um vencedor?
Sim. Sou o décimo de 11 filhos de trabalhadores rurais humildes. Com cinco anos já estava na lida na lavoura de café. Comecei na indústria calçadista como empregado, mas sempre almejei ser dono do meu próprio nariz. Consegui isso em 1981, e de lá pra cá, cresci, quebrei, me reergui e estou onde queria estar. Preciso dizer que nunca deixo de estudar. Mesmo sobrando pouco tempo para aulas formais, todo santo dia eu leio ou assisto vídeos sobre métodos, processos e procedimentos relacionados a minha área de atuação.

Quais outras dicas pode dar a empreendedores?
Posso falar do que vivi e daquilo que acredito: estudo, trabalho, esforço, rigor técnico, foco em soluções para o cliente. Outra coisa, a nossa empresa é familiar e faço questão de levar para ela os princípios e valores da minha casa. Sou rigoroso com conceitos éticos, pois eles fizeram diferença para eu vencer na vida. Não gosto de fazer nada mais ou menos e sou avesso à desonestidade. Portanto, tenho certeza que o sucesso chega para quem se dedica ao trabalho, sendo honesto com os seus propósitos, princípios e valores pessoais.

O que o senhor e a sua marca almejam?
Nunca tivemos a intenção de crescer muito nem aceleradamente. De verdade, queremos continuar sendo uma empresa pequena, mas referência em calçados anatômicos voltados para a saúde, com produtos de excelência que transformam a vida das pessoas.

Página Anterior
 

Melhor Notícia Comunicação - Todos Direitos Reservados

Twitter
Youtube
Facebook
FlickR