Seja bem-vindo.

Releases
(09/08) Bioquímico explica diferenças entre os exames para diagnóstico da Covid-19

Diante da enxurrada diária e constante de informações relativas à Covid-19, a realização em larga escala de exames para o diagnóstico da doença, combinada com o isolamento social, é o caminho ideal para proteger a população. Testar maciçamente a população é a recomendação da OMS (Organização Mundial da Saúde) para enfrentar a disseminação do Sars-CoV-2, o novo coronavírus.


Porém, como atualmente existe no mercado uma série de testes disponíveis, fica a dúvida sobre qual o mais adequado, quando realizar cada um, qual a precisão deles e quais os significados dos termos técnicos utilizados. Para explicar as diferenças entre os principais exames, o bioquímico Marcos Roberto Ferrari Machado, diretor do laboratório Triatox, de Araçatuba (SP), o primeiro do Noroeste Paulista credenciado para a realização do RT-PCR.

Pergunta – Quantos tipos de exames existem para o diagnóstico da Covid-19? E quais deles estão disponíveis no Noroeste Paulista?
Marcos Machado – No Brasil, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou até o momento 134 registros de testes. De forma geral, podemos dividi-los em dois grandes grupos, os testes moleculares e os testes de anticorpos, sendo que uns usam sangue, soro ou plasma e os outros, amostras de secreções coletadas das vias respiratórias, como nasofaringe (nariz) e orofaringe (garganta). Basicamente, é possível encontrar três tipos de exames na região de Araçatuba: o RT-PCR, o de sorologia e o teste rápido.

Pergunta – O que é o RT-PCR?
Marcos Machado – A sigla é uma abreviação de Reverse Transcription – Polymerase Chain Reaction, que em português significa Reação em Cadeia da Polimerase com Transcrição Reversa. Trata-se de um teste feito com o material coletado do nariz e da garganta do paciente, no qual se verifica a presença de material genético do vírus, confirmando que a pessoa está com a Covid-19. A coleta deve ser feita a partir do 3º dia após o início dos sintomas e até o 10º dia, pois ao final desse período, a quantidade de material genético tende a diminuir. Ou seja, o teste RT-PCR identifica o vírus no período em que está ativo no organismo, tornando possível aplicar a conduta médica apropriada: internação, isolamento social ou outro procedimento pertinente para o caso em questão.

Pergunta – O que é o exame de Sorologia?
Marcos Machado – A diferentemente do RT-PCR, a sorologia, verifica a resposta imunológica do corpo em relação ao vírus. Isso é feito a partir da detecção de alguns anticorpos em amostras de sangue do paciente que foi exposto ao SARS-CoV-2. A recomendação é que ele seja realizado 10 dias após o início dos sintomas. Se for feito fora desse período pode resultar num resultado falso negativo. Nesse caso, uma nova coleta pode ser necessária, a critério médico. Também podem haver resultados negativos na sorologia mesmo em pessoas que tiveram Covid-19 confirmada por PCR.

Pergunta – O que são os testes rápidos?
Marcos Machado – São feitos com amostra de sangue e são similares aos testes de farmácia para gravidez, detectando anticorpos totais, mas não diferenciam se está em fase aguda da doença ou se já está em fase de cura. A janela para testagem costuma ser entre o 7º e o 10º dia de sintomas. Outra informação importante: os seus resultados devem ser interpretados por um profissional de saúde legalmente habilitado e devidamente capacitado. Ou seja, esses testes não devem ser feitos por leigos. A vantagem desses testes são os resultados rápidos – cerca de 40 minutos – para a decisão da conduta. No entanto, a maioria possui sensibilidade e especificidade muito reduzida em comparação as outras metodologias. O Ministério da Saúde aponta que os testes rápidos apresentam taxa de erro de 75% para resultados negativos, o que gera insegurança e incerteza para interpretar um resultado negativo e determinar se o paciente em questão precisa ou não manter o isolamento social.

Pergunta – Todo laboratório está habilitado a fazer esses exames?
Marcos Machado – Não. Para a realização do PCR e da sorologia para o diagnóstico da Covid-19 o laboratório deve ser obrigatoriamente credenciado junto ao Instituto Adolfo Lutz. Mas existem laboratórios que apenas fazem a coleta de material dos pacientes e o encaminham a laboratórios credenciados. Nesses casos, existe risco de o material coletado ser maculado, além de o tempo de retorno ser maior do que aquele feito em um laboratório local devidamente credenciado e que realiza todo o exame aqui mesmo. 

Pergunta – Como decidir qual exame fazer?
Marcos Machado – A orientação básica é que a pessoa busque orientação médica e laboratórios qualificados para um diagnóstico seguro. Quando apresentar sintomas oi tiver contato direto com pessoas que testaram positivo deve fazer o exame de RT-PCR entre o terceiro e décimo dia de sintomas. Se quiser saber se já foi contaminado pelo vírus e adquiriu anticorpos fazer o teste sorológico após 10 dias de sintomas ou contato direto com pessoas que testaram positivo. Fato é que a testagem é uma importante ferramenta tanto para o monitoramento da doença na comunidade quanto para o auxílio do tratamento do paciente infectado.

RETIFICAÇÃO

Em esclarecimento à recente divulgação de notícia sobre parceria entre o laboratório Triatox e a Faculdade de Medicina Veterinária do campus de Araçatuba da Unesp (FMVA), por meio da Fundunesp (Fundação para o Desenvolvimento da Unesp), referente à realização do RT-PCR para Covid-19, Marcos Machado explica que, ao contrário do que foi veiculado, a PPP vislumbra somente a utilização, por parte do laboratório, de um dos equipamentos da Unesp utilizados no procedimento, na fase final da leitura do exame. Sendo assim, todas as demais etapas são realizadas no Triatox, com profissionais técnicos próprios.

Página Anterior
 

Melhor Notícia Comunicação - Todos Direitos Reservados

Facebook
Youtube
Twitter
FlickR