Seja bem-vindo.

Releases
(06/08) Colesterol: herói e vilão
Quando ouvimos falar em colesterol logo pensamos em algo ruim relacionado a problemas cardiovasculares. Muita calma nessa hora, pois não é bem assim! Como o dia 8 de agosto é o Dia Nacional de Combate ao Colesterol, é preciso abordar o assunto. Essa substância desempenha funções essenciais no organismo humano, como a produção de alguns hormônios, tais como vitamina D, testosterona, estrógeno, cortisol e ácidos biliares que ajudam na digestão das gorduras. Trata-se de um componente estrutural das membranas celulares no nosso corpo e está presente no coração, cérebro, fígado, intestinos, músculos, nervos e pele.

No entanto, é fato que o excesso de colesterol é prejudicial à saúde, sendo fator de risco de morte. Entre as complicações decorrentes dessa alteração excessiva está a aterosclerose, um acúmulo de placas de gorduras nas artérias que impede a passagem do sangue e pode causar problemas cardíacos, como infarto e acidente vascular cerebral (AVC). Também pode causar complicações renais, síndrome coronariana aguda e trombose. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) confirmam que as doenças cardiovasculares (DCV) representaram mais de 30% dos óbitos no mundo nos últimos anos, em países em desenvolvimento, como o Brasil, atingiram mais de três quartos das causas de morte.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), muitos fatores podem contribuir para o aumento do colesterol, como tendências genéticas ou hereditárias, obesidade, idade, gênero, diabetes e sedentarismo. No entanto, um dos fatores mais comuns é a dieta, já que 30% do colesterol do nosso organismo é proveniente na nossa alimentação. As gorduras, sobretudo as saturadas, presentes em alimentos de origem animal, contribuem para a elevação do colesterol sanguíneo.

Uma dieta rica em frutas, verduras, legumes e grãos evita o aumento do colesterol, além da prática de exercícios físicos e evitar o fumo e o estresse. Em muitos casos está indicado o uso contínuo de medicamentos. Mesmo quem não costuma comer muitos alimentos industrializados e gordurosos pode ter problemas com o colesterol. Além desses fatores, a hereditariedade pode determinar um colesterol alto mesmo em pessoas de hábitos saudáveis. O fato é que, o controle e tratamento das DCV e de seus fatores de risco envolvem, além da prescrição medicamentosa, mudanças no estilo de vida. Com certeza, vale a pena!

*Flávio Salatino é médico cardiologista em Araçatuba

Página Anterior
 

Melhor Notícia Comunicação - Todos Direitos Reservados

FlickR
Youtube
Twitter
Facebook